A Princesinha do Sul
Eu Amo Ilhéus

A CIDADE DE ILHÉUS


Ilhéus é um município que fica localizado no Sul da Bahia. É a cidade que tem a maior extensão de litoral do Estado. Ilhéus foi fundado em 1534 passou a ser cidade apenas em 1881. É conhecida por fazer parte dos romances de Jorge Amado, como Gabriela, Cravo e Canela e Terras do Sem Fim. É considerada a capital do cacau e denominada por seus habitantes como a "Princesinha do Sul". Sua economia baseia-se na agricultura, turismo e indústrias. Já foi o primeiro produtor de cacau do mundo, mas, depois da enfermidade conhecida como vassoura-de-bruxa, que infestou as plantações, reduziu consideravelmente a sua produção. Conhecida também como "IOS", sigla que respeita a grafia antiga do nome da Cidade, "São Jorge dos Ilhéus", que é utilizada nos bilhetes de transporte aéreo.

Com uma ampla rede hoteleira e um dos maiores litorais da Bahia, a Cidade de Ilhéus representa grande importância para o turismo nacional. 

Alguns pontos turísticos como o Centro Histórico, Praia dos Milionários (mais movimentada da zona sul), Praia do Cristo e Olivença, além de alguns passeios como Rio do Engenho, Lagoa Encantada, Ilha do Desejo e o próprio  centro da cidade, já valem muito a pena visitar.  

Cidade de Ilhéus. "A  Princesinha do Sul"


Os principais pontos de encontro dos antigos comerciantes também permanecem de pé, como o Bar Vesúvio e o Cabaré Bataclan, presentes nas obras de seu ilustre filho adotivo Jorge Amado. Em homenagem ao escritor, que representou muito bem as belezas e histórias da cidade, a residência onde passou a infância foi transformada em Casa de Cultura, mais uma parada obrigatória em uma visita na Cidade de Ilhéus

ILHÉUS - TERRA DA GABRIELA

Vinda do agreste,Gabriela chega a Ilhéus em 1925, em busca de trabalho. É levada do "mercado dos escravos", lugar onde acampam os retirantes, pelo árabe Nacib. O dono do bar Vesúvio não atenta de imediato para a beleza da moça, escondida sob os trapos e a poeira do caminho. Não tarda, porém, a descobrir que ela tem a cor da canela e o cheiro do cravo. Em breve, todos os homens da cidade vão se render aos encantos de Gabriela.

Apaixonado, o ciumento Nacib decide que o melhor é se casar. Gabriela passa a ter obrigações que não combinam com seu espírito livre e rústico 

Ela assume a cozinha do bar, e o Vesúvio ferve por conta do tempero e da presença inebriante de Gabriela. Apaixonado, o ciumento Nacib decide que o melhor é se casar. Gabriela passa a ter obrigações que não combinam com seu espírito livre e rústico. No entanto, não se deixa subjugar. Nacib a flagra na cama com Tonico Bastos e manda anular o casamento. Mas Gabriela ainda voltará a ser sua cozinheira e a freqüentar sua cama.

Gabriela, cravo e canela narra o caso de amor entre o árabe Nacib e a sertaneja Gabriela e compõe uma crônica do período áureo do cacau na região de Ilhéus. Além do quadro de costumes, o livro descreve alterações profundas na vida social da Bahia dos anos 1920:

 a abertura do porto aos grandes navios leva à ascensão do exportador carioca Mundinho Falcão e ao declínio dos coronéis, como Ramiro Bastos.

É Gabriela quem personifica as transformações de uma sociedade patriarcal, arcaica e autoritária, convulsionada pelos sopros de renovação cultural, política e econômica. 

Destaque

Anuncie aqui
Anuncie aqui
Anuncie aqui
Anuncie aqui
Anuncie aqui
Anuncie aqui

Dúvidas e Sugestões

Contate-nos